Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Programa de referência e contrarreferência: alta ambulatorial de um hospital de cardiologia terciário.

Clélia Rodrigues da Silva Nascimento, Elaine Fonseca Amaral da Silva
INSTITUTO DO CORAÇÃO DO HCFMUSP - - SP - BRASIL

Programa de referência e contrarreferência: alta ambulatorial de um hospital de cardiologia terciário.  

 

Nascimento CRS; Silva EFA 

 

Introdução: O Sistema Único de Saúde (SUS) define que “a saúde é direito de todos e dever do estado”, garantindo aos cidadãos acesso a um conjunto integral de assistência a saúde, em todos os níveis de atenção. Como forma de articular e garantir esse direito foi necessário criar formas para que seja efetivada a legislação. O SUS, portanto é um sistema regionalizado e sua porta de entrada preferencial deve ser através dos postos de saúde, devendo este redirecionar o paciente conforme o nível de necessidade. Para facilitar este acesso criou-se o Sistema de Referência e Contrarreferência, que é o nome concedido ao trânsito de pacientes que ocorre entre os níveis de atenção do SUS (primário, secundário e terciário), sendo a Referência direcionada ao maior nível de complexidade como: hospitais especializados, ambulatórios de especialidades, entre outros. Já a Contrarreferência é o inverso, e ocorre quando há um encaminhamento formal do nível terciário/secundário para o nível primário (postos de saúde/UBS/centro de saúde), este que deve obedecer a regionalização e geralmente é próximo a residência ou trabalho do paciente. O assistente social enquanto profissional que integra a saúde, participa deste processo, orientando os pacientes sobre seus direitos sociais. Objetivos identificar se os pacientes que receberam alta ambulatorial de um Hospital de Cardiologia terciário estão sendo atendidos na rede assistencial de saúde. Medotologia: A metodologia quantitativa/survey, foi aplicada por telefone, com utilização de questionário com 12 perguntas,  a 36 pacientes. Resultados: Dos entrevistados 47% (17) são católicos, 56% (20) são do sexo feminino, 67% (24) casados, 45% (16) tem ensino fundamental incompleto, 75% (27)  realizam tratamento referente à cardiopatia, sendo 82% (22) realizado pelo SUS, onde 52% (14) esta recebendo atendimento na UBS, com a periodicidade média de consultas a cada 06 meses 45%(12). Conclusões: Esperamos que esta pesquisa contribua para a disseminação do conhecimento aos profissionais da equipe multiprofissional, propiciando ações mais eficazes quanto ao atendimento integral a saúde e a forma correta de encaminhamentos dentro do Sistema de Referência e Contrarreferência. 

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Operacional

Malu Losso

Organização Operacional Expositores

JA Eventos

Organização Científica

SD Eventos

Montadora Oficial

Estande Feiras e Congressos
Estrutural

Agência Web

Inteligência Web

XXXVII Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

26, 27 e 28 de maio de 2016 | Transamerica Expo Center | São Paulo - Brasil